quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

A gente não quer só um grande amor...


Nesse sentido, continuo pensando da mesma maneira...

Meus queridos leitores, depois de muito tempo sem aparecer, estou voltando, aos poucos, pois tenho outros projetos que também precisam de atenção, mas nunca esqueci de vocês!
Espero que gostem desse novo texto:

A gente não quer só um grande amor...

Chega um momento na vida que a gente não se contenta com pouco.
Seja no trabalho, seja no amor, pouco é palavra, que pelo sentido que traz, não satisfaz.
A gente quer mais.

No trabalho a gente nunca tá feliz com o cargo que tem, ou com o salário.
Ou tá feliz com o salário e com o cargo mas a equipe não é a ideal. E por ai vai.
Nisso as relações vão se pautando num jogo de quem pode cresce, quem não pode desce ,ou no máximo, fica estagnado.

E no amor? Como é esse querer mais? Como funciona esse nível de insatisfação?
Eu já falei muito destas exigências, mas pensando bem, elas não são negativas, olhando com olhos de lupa, podem até ser positivas e apresentarem-se como indicadores de qualidade da vida que queremos pra gente.
Quando se encontra um grande amor,( mas também que não precisa ser tão grande assim, pode ser um amor simples, mas que seja verdadeiro e sincero), já dá pra iniciar um compromisso mais ou menos sólido.
Bem, tudo pronto! Relações maduras, sinceras, verdadeiras. E agora? É só isso?
O que implica em ter um grande amor?
É só ter um grande namorado?
Não. A gente não quer só um grande namorado.

A gente quer um grande amigo que nos apóie, nos aceite, nos respeite.
Que, mais que a atração física, ele se atraia pelos nossos defeitos, nossos risos bobos.
Nosso frio nos pés de madrugada.
Alguém que se importe com sua dor de dente e se você vai chegar atrasado no trabalho.
Alguém que no dia de chuva, mesmo sem carro pra te buscar, te liga pra ver se você já tem carona pra voltar pra casa.
Sabe aquela pessoa que acorda do seu lado e te dá bom dia com a cara mais inchada do mundo e mesmo assim consegue ser a pessoa mais linda da face da terra?
É dessa pessoa que a gente precisa, também!

Um bom amante? Sim.
Fogoso, ardente, cheio de paixão.
Mas eu também quero um romântico, carinhoso.
Não precisa chorar comigo vendo meus filmes no cinema, mas sua mão na minha mão ou seu abraço na hora que as lágrimas brotam já o tornam a melhor pessoa do mundo.
A gente precisa de alguém assim. Até as pessoas mais duronas precisam.
A gente precisa de alguém pra ir com a gente no supermercado, pra comentar o preço das verduras, das frutas, pra ajudar escolher o melhor detergente, o melhor sabão em pó.
Parece até um sonho de pobreza, mas quem disse que ser rico é sinônimo de felicidade?
Talvez falte isso pra muita gente. Ou talvez isso também nem faça falta.
Importa ser feliz com ou sem uma ida ao supermercado! Eu adoro!
A gente precisa de alguém assim.

A gente quer um companheiro do nosso lado, que nos ajude a entender certos dramas familiares ou se esses dramas não existem, viver sempre em harmonia.
Fundamental é ser família.
Alguém que me separa das pessoas que eu amo, não serve pra me amar.
Alguém que me ensina a amar as pessoas, faz com que eu ame essa pessoa cada vez mais.
A gente precisa desse amor.

Por isso que eu disse, que a gente não quer só um grande amor, a gente quer um amor grande, que caiba no peito, na sala, no carro, no quarteirão...
Um amor escancarado, sincero e que não precise ficar no escuro pra existir.
O amor é fotossíntese : precisa de luz!
Uma luz que ilumina e faz a gente enxergar que ter um amor é bom demais.
Um grande amor pra todos!

Beijão para vocês.
Até a próxima.
Com carinho

Edson Flávio