segunda-feira, 30 de agosto de 2010

ilha

a cortina turva cobre a ilha.

grande ilha

seus ipês, agora são amarelos esbranquiçados.

ardem as folhas do buriti.
tentam correr os troncos.
ele avança.

nem os gritos da passarada.
nem os deuses da mata.
nada pode parar a destruição que avança.

as manchetes correm o mundo.
fogo,
fogo,
fogo.

observo, inerte a catástrofe.

o sol laranja-triste-de-fim-de-tarde exausto se põe.

em pânico pego a tinta.
meu coração é maior que meus braços.
pequeno, escrevo!

-----
DIGA NÃO AS QUEIMADAS!

Bjs e até a próxima.

Edson Flávio

sábado, 21 de agosto de 2010

Monte Santo

É longe o lugar onde minha alma repousa.
Qual águia que refugia-se nas alturas e sucumbe aos poucos frente a solidão do abismo, encontro-me só e distante das coisas que amo.

Na verdade não amo as coisas.
Amo o microcosmo das coisas.
A náusea do não ser,
do não estar.

A ausência daquilo que eu poderia ter sido e não, nunca fui.

É sofrivel o bastante e sei que, deverasmente, deveria encontrar algo.

Mas o que busco?

Perco-me na busca insensata de falta de sensatez.

Procuro, na verdade, o sentido das coisas.

A saudade seca meus póros, estria meus nervos, disseca-me.
Corrói meus ossos.
Aniquila.

É sexta-feira-santa e aos pés do monte santo procuro, em meio há tantas cruzes, aquela que possa me servir.

A Cruz = O Caos.

A noite fria e triste desses dias custa a passar.

Só não passa a vontade de ter você aqui.
Vontade que vem forte,
rouba a sanidade dos pensamentos.

Há uma morbidez de sentimentos espatifando tudo em mim.

Amo.

Apenas isso.

----

Beijos galera, bom domingo e ótima semena pra todo mundo!

Edson Flávio

terça-feira, 17 de agosto de 2010

"A dor é inevitável, mas sofrer é opcional."

A vida não é sempre um mar de rosas. Nem tudo, infelizmente, é só alegria.
Existem momentos que pensamos que o mundo vai desabar sobre nós. Como naqueles dias que não deveríamos ter saído da cama. Parecendo que o universo conspira contra a gente!
Pensamento mais negativo que esse, impossível!
Entregar-se a essa energia é preocupante. Pois acabamos "criando" em nós uma rotina de energia negativa, que atrai mais e mais energia negativa. Como dizia minha avó “coisa ruim, atrai coisa ruim”.
É sempre difícil lidar com as perdas e decepções que passamos. Sejam imateriais: Um amor, um ente querido, um amigo. Ou material: um carro, um emprego, uma casa.
Perdas são sempre perdas. Representam algo que foi, de uma forma ou de outra, subtraído de nós. Não há formas "boas" de perdas. Toda perda é algo que machuca, que nos marca profundamente.
Isso porque a perda vai muito além de uma pessoa ou de uma coisa.
É a quebra da expectativa de muitos sonhos não realizados, de muitas vontades não satisfeitas.
As feridas são certas, mesmo que sejam para nosso próprio bem, elas doem um bom tempo até cicatrizarem por inteiro.
Na maioria das vezes, quase sempre, não podemos mudar a situação, mas podemos escolher a melhor forma de lidar com ela.
E o que fazer diante de uma perda ou de uma decepção?
Disse um poeta que “a dor é inevitável, mas sofrer é opcional”. Isso resume uma tese certeira sobre como devemos lidar diante dessa subtração em nossas vidas.
Nessa fase tentamos, e muitos consideram impossível, retirar o que se pode da própria dor, alcançar forças, buscar apoio nos que estão conosco e no que nos restou. Por que, acima de tudo, ainda nos restou nosso bem precioso, que é nossa vida.
Importante, nesse momento, é uma avaliação dessa vida, dos desejos, dos sonhos, é hora da gente se re-alinhar. De aprender com o significado dessas perdas e dessas decepções. Pois este aprendizado pode nos valer em soluções importantes.
Não podemos esquecer que a vida é feita disso tudo, e tudo deve ser visto como um ingrediente para uma vida sólida. Uma vida plena de valores que vão influenciar em nossas decisões no presente e no futuro.
Seja qual for a sua perda ou decepção, não deixe de lado seus sonhos de felicidade.
Pois ser feliz amanhã é uma forma de ser infeliz hoje, e acredite: é hora de ser egoísta e pensar na sua própria felicidade.
Tenha amor próprio.
Priorize seus desejos e perceber-se como alguém que merece e pode ser feliz.

Beijos e até a próxima.

Edson Flávio

domingo, 15 de agosto de 2010

Ser solteiro é um dom?

Hoje, segundo um site que vi pela manhã e pela minha surpresa, é dia dos solteiros! Como disse Lutti Jones “e tem um dia dos solteiros?”, pois então minha cara, tem! É e hoje!
Mas há o que se comemorar?
Existem, de fato, motivos para comemoração? Depende.
Depende de como cada um encara sua solteirice ou não.
O que é claro é que, muitas vezes, essa “condição” é opcional. Outras, nem tanto.
Estar solteiro faz parte, para alguns, de um projeto de vida. Opta-se por estar solteiro e “viver” a liberdade de decisões, de gostos, enfim, de vida. O que não implica em “estar” sozinho ou viver solitariamente.
Viver solteiro não é sinônimo de viver isolado ou sozinho.
Figura-se aqui o solteiro que não está “namorando” ou “casado”. Aceita-se para o “hall” dos solteiros aqueles que não possuem compromisso com alguém. (sobre compromisso, já falamos bastante nos textos anteriores, dispensando maiores considerações).
Lembro-me aqui de algumas frases, muito comuns e até certo ponto aceitáveis, para justificar o “estado” de solteirice que alguns escolhem:
ANTES SÓ DO QUE MAL ACOMPANHADO ou SOLTEIRO SIM, SOZINHO NUNCA!
As duas frases expressam um desejo claro de viver a própria liberdade. De viver o “dom” de ser solteiro.
É certo que relacionamentos são cada vez mais complicados hoje em dia. E isto também afeta na escolha desse estado de vida, pois estar com alguém só para não estar no time dos solteiros não compensa. É enganar a si mesmo e principalmente, a outra pessoa. E isso não se faz!
Há, ainda, os que não concordam e acreditam que ser solteiro é azar, ou “problema”. Rss.. e por isso tentam de tudo, a todo custo, mudar essa situação.
Sendo dom ou não, importa que ser solteiro não seja correlato de infeliz.
Eu acredito que é um momento prazeroso de se descobrir.
Descobrir o valor de si mesmo, dos amigos, da família.
Pois só alguém que: é capaz de organizar a própria vida, de ser feliz consigo mesmo, de estar de bem com o mundo pode despertar o interesse de outra pessoa sobre si.
O estado de solteirice, sendo opção ou apenas uma fase, deve ser vivido com equilíbrio, serenidade e felicidade.
Então: aproveite a solteirice, aproveite sua vida!
Seja feliz e feliz dia do solteiro!
Beijos e até a próxima.

Com carinho de sempre

Edson Flávio

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

"silêncio!"

eu te quero mais do que eu tenho do querer em mim.
és-me necessário como o ar.

sinto-te entranhado em mim e ao mesmo tempo te estranho.

como estrangeiro em terra livre
vagas vagarosamente.
tudo vês.
tudo sabes.

no avesso de mim te encontro
com a mesma face de outrora e sempre.

exegese e êxtase eternos.

tu, rosa-dos-ventos.
eu, barco à deriva.

tão distantes
tão próximos
tão diferentes e
tão iguais

água e óleo num mesmo pires
sendo achatados pela xícara matinal do cotidiano.

umas vezes, caminhamos de mãos dadas num jardim colorido de um dia lindo de sol
outras vezes, presos à vácuo num invólucro incolor, insípido e inodoro dentro de nós mesmos.

(as)sim! (sobre)vivemos.

-------
Beijos e até a próxima!

Edson Flávio

ps - obrigado pelo carinho e pelos comentários!!!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

MOSAICO

Não mais trair o meu instinto
É preciso ouvir a voz que vem de dentro
É preciso ceder ao tremor de minhas mãos

Ao fremor da alma

De tanto rabiscar juras de amor me esqueci como se escreve uma carta
Uma bela carta.
Daquelas cartas que já nascem com as lágrimas.
Sagradas.... remidas...quase santas.

Meu coração é um mosaico.
Cada dia uma parte nova.
Cada parte se reparte.
Um eu que vai, um eu que fica.
E de tantas chegadas e partidas meu coração virou porto.

Ora “porto solidão”, ora porto multidão.

Às vezes a saudade é a liga que sustenta tantas partes.
Outras vezes é o amor.
O mesmo amor que toca e toma minha loucura
E inventa este poema.

----
Este poema é um aperitivo pro próximo texto...

Beijos...e até a próxima...

Edson Flávio

sábado, 7 de agosto de 2010

(con)viver com paz+ciência

Oi gente... antes de qualquer coisa, perdão pela demora!!!
Prometo que não fico mais tanto tempo sem escrever... mas aconteceu tanta coisa nesses dias que foi impossível escrever!!!!
Deixando as desculpas de lado estou chegando com mais um texto novo para vocês, espero que gostem!!!
Olha que já tentei falar de outra coisa que não seja relacionamentos, mas tá ficando difícil...

E relacionamento é sempre algo que deixa a gente louco. (louco de amor ou louco de ódio...rss)
Tô mentindo? Rss
Já dissemos eu te amo! Que maravilha, quantas pessoas tem a oportunidade de saberem-se amadas e terem alguém do seu lado que possa dizer isso e é lógico dizer a todos a mesma coisa.
Mas não basta só dizer eu te amo!!! (eu disse que tá ficando difícil)
A gente (além de querer a pessoa pronta!) quer a pessoa igualzinho a gente! Rss..
Se a gente diz eu te amo quando desliga o telefone, a pessoa tem que dizer também.
Se manda mensagem no celular 10 vezes por dia, a pessoa tem que responder as 10 vezes. Do contrário é melhor nem escrever respondendo a décima porque a 11ª mensagem será uma bomba nuclear! Cuidado.
E os e-mails? Não respondeu? Mas como? Não teve tempo? O que custa parar 1 minutinho na frente do computador e enviar uma linha que seja? É definitivamente cruel.

Somos cruéis sim! E nem adianta balançar a cabeça de um lado pro outro quando lê o texto, porque a gente sempre espera que a pessoa (re)aja da mesma forma que (re)agimos.

Infelizmente nos esquecemos que não somos iguais. E ainda bem que não somos!
Somos seres ímpares e por diversos motivos tivemos experiências diferentes até chegarmos onde chegamos.
E se,mesmo depois de chegarmos onde estamos e por uma dádiva, ou outra coisa que se possa atribuir o mérito, em determinada altura da vida encontramos uma pessoa que nos ama ao ponto de dizer EU TE AMO todos os dias, ainda agimos "exigindo" que a pessoa seja como nós: é melhor (re)pensarmos sobre nossas atitudes.

E isso vale pra ambas as partes, sem culpar nenhuma.
O sentimento de culpa não combina com o amor.
O amor é ausência de culpa. Quem vive no amor não vive na culpa, pq o amor é sempre perdão! É sempre volta! É sempre vida!
Antes, durante e depois de todas nossas atitudes com a pessoa amada, mas nesse caso específico de querer que “a outra pessoa” aja como nós agimos, a máxima para atingirmos, juntos, um equilíbrio no relacionamento é a paciência.
Paz+ciência – a união de duas coisas: PAZ (porque ninguém consegue fazer nada perturbado) e CIÊNCIA (porque ninguém consegue fazer nada sem pensar)
É somente pela paciência que a gente consegue entender o outro, esperar o outro, conviver com o outro.
Não que isso substitua o amor, pelo contrário, só consegue obter essa paciência necessária quem já vive o sentimento do amor verdadeiro, forte, intenso, gentil, sério, maduro.
Entender os motivos que levam o outro a agir “assim” ou “assado” faz parte de um crescimento maduro. É crescimento dentro de uma relação.
Até porque viver na fase de “Alice no país das maravilhas” não dura a vida toda. Sempre chega a hora do “e o vento levou” ou então da “missão impossível” e por aí vai.
O que estou querendo dizer é que estes momentos que nos cercam numa relação, de certa forma, são momentos-chave para entendermos o outro e a nós mesmos.
Refletir sobre nossas práticas e sobre as práticas do outro faz bem. Mas isso deve ser algo sereno, tranquilo.
Deve ser algo cheio de paz e ciência.
Estar com alguém e (com)viver com essa pessoa é uma tarefa árdua, pela diferença das duas pessoas, mas é uma tarefa feliz.
Amar é um desafio sim, porém mais que um desafio é uma aventura.
Uma incrível aventura.
Boa aventura pra todos nós!

Beijos e até a próxima!

Edson Flávio