quinta-feira, 12 de agosto de 2010

"silêncio!"

eu te quero mais do que eu tenho do querer em mim.
és-me necessário como o ar.

sinto-te entranhado em mim e ao mesmo tempo te estranho.

como estrangeiro em terra livre
vagas vagarosamente.
tudo vês.
tudo sabes.

no avesso de mim te encontro
com a mesma face de outrora e sempre.

exegese e êxtase eternos.

tu, rosa-dos-ventos.
eu, barco à deriva.

tão distantes
tão próximos
tão diferentes e
tão iguais

água e óleo num mesmo pires
sendo achatados pela xícara matinal do cotidiano.

umas vezes, caminhamos de mãos dadas num jardim colorido de um dia lindo de sol
outras vezes, presos à vácuo num invólucro incolor, insípido e inodoro dentro de nós mesmos.

(as)sim! (sobre)vivemos.

-------
Beijos e até a próxima!

Edson Flávio

ps - obrigado pelo carinho e pelos comentários!!!

7 comentários:

  1. Adorei ... vc é demais ! ♥ Beijos

    ResponderExcluir
  2. lindo mesmo!
    ;~)
    Adoro seus poemas!!!
    bjos.

    ResponderExcluir
  3. Estranhamente (des)interessante...rss

    ResponderExcluir
  4. Lindoooo..parabêns meu amigo vc é msm fantástico

    ResponderExcluir
  5. nossa, amei
    vc nem imagina o quanto me tocou
    muito bom
    continue, sempre

    ResponderExcluir
  6. Ameeiiiiii..
    Profundamente lindo!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi amado!
    Esse texto é a janela aberta que dá acesso à sua alma... e é como sua alma: lindo e cheio de mistérios! As entrelinhas dizem mais do que o escrito! Lindooooooooooooo!

    Neila

    ResponderExcluir