segunda-feira, 31 de maio de 2010

O leão nosso de cada dia.

O mês do trabalhador acabou!
Escrever toda semana para mim é um trabalho gostoso e as vezes árduo, mas é um trabalho.
E nunca se deve deixar um trabalho de lado mesmo que seja pra realizar outro.
Se você assumiu é porque é capaz! Acredite.
Se não deu certo hoje. Se você ta sem pique. Sem clima... Relaxa.
A gente mata um leão todo dia. E existem horrores de leões por aí. (risos)
Matemos-los!
E quando não conseguimos? Paciência.
Não é nada fácil aceitar as derrotas da vida.
Não é fácil aceitar os problemas da vida.
Sei lá, às vezes ficamos remoendo coisas velhas.
Guardando tudo no bauzinho das recordações tristes.
Que tal a gente parar com isso?
Vamos olhar pra frente!
Aprendemos muito mais com os erros do que com acertos. São coisas da vida.
Não se pode ganhar sempre. Não é só de vitórias que se vive.
Comece a juntar os fatos e perceba.
Você sempre cresce com estes acontecimentos. Todo mundo fica esperto depois de um tombo de bicicleta... aliás eu só caí uma vez! rss faz tanto tempo...
Sei que a gente fica mais forte.
A natureza das coisas diz isso.
A vida se refaz constantemente. A borboleta antes foi lagarta.
Para que provássemos a doçura do fruto uma flor teve que morrer.
As coisas são o que são.
O mundo não para até que resolvamos nossos problemas.
E você, por favor, não pare nunca!Não desista nunca!
Sê forte.
Viva e deixe viver.
Boa semana...
Beijo no coração.

sábado, 22 de maio de 2010

MEU ANJO

Oi gente... um texto escrito em 2005 em mais um momento de devaneio...
Bjs e até a proxima...

... Meu anjo....
É sempre frio onde meu coração está. Porém ao amanhecer do terceiro dia o túmulo está vazio.
Olhando pela janela do quarto, por entre as arvores da floresta negra via um anjo deitado. Antes de perguntar-me se poderia um anjo cair do céu. Agora a pergunta era: o que um anjo faz aqui? Na minha floresta!
Será talvez o anjo da guarda que pra me proteger resolveu “aparecer”. Será um anjo desencarnado no corpo do ser que me fará feliz? Presente de Deus?
Mediante ao evidente empenho de comunicar-me com esta criatura resolvi tomar um banho que a contar da temperatura lá fora não congelei por um triz.
O fogo que me ia por dentro aquecia-me de tal forma que quando vi estava dando as mãos para a criatura celeste.
Seu olhos eram lindos, cristais da alma amada. Não tive dúvida. É o amor da minha vida.
A pessoa com quem serei feliz. Mas, espere, não reagiu.
Não demonstrou ser o que eu penso.
Tudo bem, adormeço em meio ao frio que me cerca e tento juntar forças para enfrentar o amanhã.
Na manha cinza de mais um Corpus Christ um novo olhar me seduz, diferente do olhar passado. Já não sai da minha cabeça. É um olhar que fica.
A sexta-feira passa e somente a noite o olhar olha aberto e sorri. Capta. Beija. Beijo resposta.
As bocas nada pronunciam, não são necessárias as palavras nesse jogo não verbal. A linguagem aqui é outra.
O vinho que embriaga meu ser, via Baco, com Baco, por Baco e em Baco, é viés das declamações e juras de amor que são ouvidas nos quatro cantos da terra.
Os anjos decaídos imploram por redenção neste amor.
Os Principados, os Tronos, as Potestades todas estão dispostas a intervir neste destino.
Em nosso delirante amor nos deleitamos e deitamos na estrada deserta da vida, na lua que se espraiava pelo asfalto frio. Na relva verde que orvalhada exalava a chegada do dia e refletia o brilho dos primeiros acordes pontudos da manhã fria que rasgava o véu da noite escura.
O vento sul que passava, enlaçava nossos corpos nos unindo numa espécie de dança cósmica.
As bocas se bocando, as mãos se malinando, os corpos se copulando, as almas se almejando e o amor amando.
Um sonho.
Cadê meu anjo?

segunda-feira, 17 de maio de 2010

VIDA SEM PAIXÃO É FODA!

Oi gente...

No sinal de trânsito, vi uma faixa e descobri que hoje é dia mundial da luta contra a homofobia! E, ao chegar no trabalho, li num artigo do jornal que não basta só levantar bandeira, tem que lutar. Agora eu digo, e lutar em todos os sentidos.
Isto inclui lutar por um grande amor, ou se for o caso, uma grande paixão. Sim! E porque não? È isso mesmo, lá vem eu novamente falando de paixão. (Risos).

E o que é a paixão? o que é estar apaixonado?
A Wikipédia (biblioteca dos internautas) não é muito animadora pra definição:

A paixão (do verbo latino, patior, que significa sofrer ou suportar uma situação dificil) é uma emoção de ampliação quase patológica. O acometido de paixão perde sua individualidade em função do fascínio que o outro exerce sobre ele. É tipicamente um sentimento doloroso e patológico, porque, via de regra, o indivíduo perde a sua individualidade, a sua identidade e o seu poder de raciocínio.
Nem vou continuar porque as definições são as mais cortantes...(risos) dá até vontade de não se apaixonar nunca e passar logo pro estágio do amor. Mas...

Bom, já Houais, define que “ paixão é uma emoção muito intensa” pronto. Creio ter achado a definição mais adequada.

Fazer o que, é assim: a paixão move o ser humano. Viver apaixonado, por alguma coisa, é importante. Dá todo um colorido pra vida,e as vezes dolorido, mas sem essa de martírio. Paixão dolorida só a de Cristo! ABRE ASPAS E foi por uma boa causa. Foi o ato extremo de amor. Só alguém apaixonado pela humanidade poderia ter feito o que Ele fez. FECHA ASPAS.

Outro dia chamaram meus textos de confessionais demais, apaixonados demais.
Mesmo estudando literatura sei não... a confissão é sempre pessoal e tentar entender as pessoas pela literatura que escreve é sempre um risco. Diga-se de passagem, Florbela Espanca. Que só pq a coitadinha suicidou-se e tinha uma escrita pessimista em relação à vida acharam que a poeta era depressiva. Suicídio era moda. Ainda bem que essa moda passou.

Mas, voltando ao assunto, antes que eu me perca, acho necessária a paixão.
Os grandes movimentos e momentos da humanidade foram motivados pela paixão. A história dá conta disso.


Quanto a mim. Gosto de estar apaixonado, sentir-me apaixonado. Sinto-me vivo.

Recebi um telefonema. Acho que estou apaixonado. (risos) Eu disse acho. Não tenho certeza ainda. Estou percebendo os sintomas.


E não há medidas para a paixão. Não há pré-seleção. Não há regras. Há sim, um forte desejo, quase que incontrolável de querer bem, querer já.
Os benefícios são inúmeros, mas há de se ter paciência, serenidade e calma para não sucumbir aos malefícios da paixão.

Antes de qualquer coisa sou alguém apaixonado pela vida! E creio que você também deve procurar ser assim!

Tente! Vamos lá. Sorria. Apaixone-se. Busque algo para acreditar. Para lutar.
Vá ser feliz! Vá viver uma grande paixão seja ela por quem, ou por o que quer que seja!
Apaixone-se! Viva a paixão!


Ah, um belo dia chamaram meu texto de poesia podre. Nem liguei. Pessoa sem paixão é foda. (argh)

Poesia sem paixão, não é poesia.


Beijos e até a próxima.

sábado, 8 de maio de 2010

Minhas mães

Falar de mãe não é fácil.
Até porque mãe não se explica.
Tem-se ou não.
E só quem tem sabe o que é ter e, infelizmente, quem não tem só sabe o que é não ter.

Das muitas coisas na minha vida uma sou grato ao “cara lá do céu”: tenho várias mães!!!
Se ter uma mãe é bom, imagine ter várias.

Apenas uma gerou-me, até por que não poderia ser gerado por mais de uma..
Dona Cida minha progenitora, a primeira que tocou, ou melhor, a quem eu toquei, mas vá lá... que eu chutei por longos nove meses..rss.
Enfim, eis o rebento! Que arrebenta com ela até hoje.
Amo-te mãe. Obrigado por tudo até aqui.
Bom, queira ela ou não, Dona Cida divide suas funções de mãe com outras mulheres.

Das mães do coração às mães do intelecto todas são, no mais taxativo termo, mães pra valer!

As mães do coração, mães do espírito ensinaram-me que a vida nem sempre é fácil, mas que um sorriso no rosto é fundamental.
Ensinaram-me que lutar é preciso, que perder acontece e que a vitória não se comemora sozinho.
Disseram-me que ser homem:
Implica em ser sério, mas não mal humorado.
E que respeito se conquista, à medida que se respeita.
E ser espiritual não é ser alienado.

As mães do intelecto, as mães das letras, da ciência, da razão.
Elas, assim como as outras mães, sempre presentes, sempre mães.
Delas aprendi que um homem não deve desistir dos seus sonhos. Mesmo os mais loucos, os mais impossíveis.
Delas aprendi:
Que a ciência não remove a fé. Mas que a fé move o homem.
Que nem sempre a minha idéia era a ideal.
Acreditar em mim, no que eu posso entender e no que eu não posso mudar.

O bebê de 30 anos atrás só é o homem de hoje graças a todas estas mães:
A minha mãe Dona Cida,
As minhas mães do coração
As minhas mães do intelecto.

Nem mais, nem menos, na medida certa: MINHAS MÃES!

Amo cada uma em particular e hoje apenas um dia a mais pra dizer o quanto és especial.
Edson Flávio
Seu filho