quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Estranho amor...

...
Oi Galera do Blog... desculpas mais uma vez por ficar mó tempão sem escrever, mas a vida anda corrida e agitada! E este texto, ufa, foi um texto que eu demorei muito pra escrever.
bjos... espero que gostem! Em tempo... FELIZ 2011 !!!
---

Estranho amor.

...apenas te peço que respeite o meu louco querer.
Não importa com quem você se deite,
que você se deleite com quem for.
Apenas te peço que aceite, o meu estranho amor...

Como é bom ouvir Caetano e Gal cantando essa pérola da MpB e daí, com alguns goles de Mangaroska*, parar e pensar em tanto amor que já tivemos nesse vida. Dos meus, digo de boca cheia que foram amor sim! Pois eu acredito no amor das mais variadas formas. E “ai” de quem questionar. Os amores foram meus e pronto.
Vivi cada um deles da melhor maneira possível. Não sei se um dia vai dar certo, a torcida é sempre positiva e de tanto “tentar” a gente acaba formulando tratados sobre como amar, como cuidar, como dar certo, como isso, como aquilo, enfim... a gente sempre pensa que “agora é pra valer!”, “agora vai dar certo!” e por ai vai. Afinal de contas, a gente acaba projetando um futuro junto ao lado da pessoa. E um futuro a dois é claro!
No fundo, sempre o que temos é uma grande esperança de sermos felizes. Quero dizer: mais felizes. Porque temos que ser felizes antes do relacionamento também, para só assim dar continuidade e completude a esse sentimento. Do contrário, estamos colocando no colo do outro a bomba que pediram pra gente desarmar. E o que é pior: Às vezes saímos correndo e deixamos que o outro se f...
Existem inúmeros pontos positivos num relacionamento, e que não colaboram para o fim da relação. O que acaba com nossos sonhos, são os vários problemas, muitas vezes criados por nós mesmos. São estes problemas que ajudam a furar o barquinho onde a gente navega pelo mar da emoção e muitas vezes da ilusão.
Ao longo desses anos, que não foram muitos, e tendo várias paixões platônicas e alguns amores verdadeiros, eu não criei uma receita para um relacionamento, até porque se criasse talvez teria começado este texto de outra forma.
Mas apenas enumero aqui alguns “erros” básicos que cometi ao longo desses anos e que chamarei de problemas.
Repare: nem sempre estes problemas aparecem juntos, às vezes basta um deles para que o relacionamento naufrague. Outras vezes eles aparecem todos numa só estação. Ai meu caro, minha cara, é tomar banho de sal grosso, fazer novena, trezena, promessa, se benzer e tirar esse encosto...rs... brincadeiras a parte: o lance é sério e é nosso coração, ou melhor, são nossos mais puros sentimentos que estão em jogo. E nesse campo, qualquer machucadura dói pra caramba. Ah se dói! E como dói!
Então vamos lá:
Problema número 1 – Damos demais e recebemos de menos. Pense bem antes de iniciar uma relação. Já nos primeiros encontros, nos primeiros amassos dá pra “sacar” se a pessoa vale ou não a pena. Ou se é de dar pena! Seja egoísta: a gente merece alguém que esteja à altura daquilo que a gente pode dar e daquilo que merecemos receber. Se isso não acontecer vamos nos frustar nas expectativas. E aí já viu né? Isso machuca muito.
Problema número 2 - O amor não da garantias. A gente se interessa por pessoas que não querem caminhar, não querem evoluir, querem sempre a mesma vidinha, sem perspectiva, sem “aventura”. Sonhar alto não é sinônimo de loucura. Um pouco de ambição faz bem. Querer uma casa melhor. Um carro melhor. Um emprego melhor. Estudar. Querer conhecer lugares novos, etc. Acreditar que o amor e o tempo vão mudar a pessoa. Esquece! Isso é coisa de filme! E olha que nem os filmes ultimamente andam apostando muito nessa mudança.
Problema número 3 – Perdoar sempre. Parece que há pessoas que gostam de maltratar a gente. Bate e a gente perdoa. Ofende e a gente perdoa. Com isso colocamos a pessoa num circulo vicioso que ela já sabe que pode nos ofender o quanto for que a gente vai perdoar. Esse lance de perdoar toda vez que a gente leva um coice do outro é pra sadomasoquista. Eu hein! Tô fora. Perdoar é um dom. Mas gostar de apanhar e de sofrer é doença.
Problema número 4 – A pessoa mudou do dia pra noite. Ponto crítico se isso foi pra pior. Mudanças, geralmente são graduais e todos temos um lado ruim, mas ninguém muda do nada sem um motivo. As mudanças acontecem, geralmente de dentro pra fora, é algo muito particular. Muda-se o visual, o tipo de roupa, de cabelo, maquiagem, mas isso não nos machuca. São as mudanças interiores que nos ferem. Se isso acontecer: estado de alerta para a relação. É sinal que algo não está bem e que precisa ser (re)visto, antes que seja tarde demais. Aguentar tudo em silêncio é coisa pra monge tibetano.
Problema número 5 – Demanda excessiva de atenção. Pode ser que a pessoa sinta-se sufocado sabia? As vezes não percebemos. Mas dê um tempo. Vá ler poesia, revista de fofoca, visitar a prima chata, etc. Deixe a pessoa sentir sua falta. Se não tem falta, não tem desejo. Saudade faz bem para uma relação. Uma ótima dica: esqueça o celular em casa! (propositalmente!). Esteja disponível quando você puder.
Problema número 6 – Efeitos mortíferos da paixão. A gente sempre sabe quando está no perigo eminente de apaixonar-se. A maioria destes problemas estão dentro desse pacote perigoso. Viva cada momento da sua paixão com a máxima lucidez. Nada de sonhar alto demais ou de prometer o impossível. Cuidado! Paixão mal criada hoje é certeza de amor problemático no futuro. É de pequeno que se torce o pepino e, pau que “cresce” torto nunca se endireita!!!
Problema número 7 – Humilhar-se demais. Êpa, êpa, êpa!!! Pare de bancar a Madre Teresa de Calcutá hein... não é legal estar ao pé do outro. Porque a gente acaba se malcuidando e se humilhando sem necessidade. Tente ser dono(a) de si. Pare de se oferecer ao outro. Respeite-se como pessoa. Um pouco de dignidade não faz mal pra senhor ninguém!
Problema número 8 – Sou carente, e agora? Calma. Ser carente não é ser doente. Reconhecer que sentimos necessidade de estar com alguém porque esse contato supre em nós algo que nem sabemos explicar direito, é metade do caminho para entender esse sentimento e não se entregar de bandeja para alguém que a gente nem sabe se ama mesmo. Uma dica: fazer análise faz bem!!! (adooooroooo! É sempre bom investir na gente subjetivamente!) É bom se cuidar para não se sabotar. Nossas carências deixam-nos vulneráveis.
Problema número 9 – Exigência demais. A gente quer ser amado a todo custo. Na nossa hora, do nosso jeito. Como a gente acha que deve ser e pronto! Isso é ruim, pois acabamos não dando liberdade para o outro. A gente quer ensinar a outra pessoa a amar, mas ela tem a forma dela, o tempo dela, o jeito dela, as palavras dela. Forçar essa barra é acabar com o mistério da relação. Pegue leve!!!
Problema número 10 – Não existe fórmula para amar e ser amado. É não existe uma fórmula nem uma simpatia, nem um livro, nem regras. Ao mesmo tempo que vale tudo, a gente acaba vendo que o vale tudo não vale nada quando não há reciprocidade, cumplicidade, sinceridade e amizade.
Escrevi até aqui, mas não foi pra prender sua atenção não. Se isso aconteceu é sinal que você ainda acredita nesse sentimento. Como eu também acredito, e acredito que em cada relacionamento eu tenho que sofrer menos e amar mais. Viver mais e preocupar-se menos. Pois numa relação só amor não basta.
Acho que, sempre, amamos de verdade e, sempre, nos doamos. E estamos dispostos a enfrentar tudo, bravamente, em prol desse amor. O problema maior, muitas vezes, está em quem não quer se entregar. Não quer ser amado. Não quer amar.
Eu sou a minha felicidade! As demais me complementam e por isso eu sei do meu amor, sei do amor que eu sinto, do amor que eu vivo, do amor que eu dou.
E no final das contas é esse amor que importa, por que é ele que nos faz bem, que nos faz melhor, que prova que somos seres que conseguimos amar de verdade outra pessoa, e é isso que perdura, mesmo quando a relação acaba.

Beijos e até a próxima.

Edson Flávio


*caipirinha de manga com vodka e muito gelo picado

(Este texto foi especial para meu amigo e fã do blog WALLACE ! bjo querido. Feliz Aniversário!!)

15 comentários:

  1. como sempre muito bom!....parabéns

    ResponderExcluir
  2. Depois de tanto tempo vc me (nos) presenteou com essa maravilha de texto. Tudo, absolutamente tudo que vc colocou no texto é a mais pura verdade, meu amigo. O probleminha número 8, principalmente, é a minha cara. Pronto! Assumi! Sou carente, sim! rs ... Beijos e mais beijos, e agradeço de coração a homenagem. Comecei muuuuito bem o meu dia. Te admiro muitoooo!

    ResponderExcluir
  3. Ninguém vai iniciar uma história dizendo: muito prazer, eu sou arrogante, preguiçoso e cleptomaníaco. Nada disso, é a hora de fazer charme. Mas isso é no começo. Uma vez o romance engatado, aí as defesas são postas de lado e a gente mostra quem realmente é, nossas gracinhas e nossas imperfeições. Isso se formos honestos. Os desonestos do amor são aqueles que fabricam idéias e atitudes, até que um dia cansam da brincadeira, deixam cair a máscara e o outro fica ali, atônito.(MARTHA MEDEIROS)

    O teu texto é um bom manual para as próximas relações,rs bjoss..CLAU PAELLO

    ResponderExcluir
  4. Oi amado!!!!!!!!!!!!!
    Estava precisando de umas chamadinhas! Aí vem vc com esse texto nem bonzinho, nem ingênuo e despeja tudo o que eu tava precisando ouvir e ver...
    Obrigada pela lição...a minha trajetória (longa)rsrs, se curva à sua experiência e pré-disposição de aprender a amar!!!!!!
    Adorei!!!!!!
    bjos

    ResponderExcluir
  5. Amigo, não tenho muito o que comentar! muitas vezes discutimos sobre isso, rimos, choramos e nos questionamos milhões de vezes, e agora você "retratou" tudo. Diria que precisamos de amor próprio e partir daí podemos dar e receber esse amor. Se não recebemos alguma coisa errada tem, então indicarei as dez dicas que você deu. Parabéns mais uma vez .. e obrigado por permitir que compartilhe do seu trabalho.. abraço LUIZ

    ResponderExcluir
  6. Querido sou sua fã, e portanto suspeita para falar. Mais uma vez vieste com um texto maravilhoso. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Edson, como sempre, vc escreve aquilo que precisamos ler, aquilo que precisamos internalizar. Está perfeito! Já estou fazendo a propaganda! Bjs... e continue escrevendo com o coração!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo texto, muito bom mesmo !

    ResponderExcluir
  9. Parabéns meu lindo pelo texto bem escrito e cheio de conteúdo! Viva! Um forte abraço do seu amigo do Facebook Rodrigo Alves Linhares

    ResponderExcluir
  10. Eu acredito no amor, eu quero me entregar, eu quero amar e quero ser amado!!!!
    Adorei Edson!!!
    Voltarei sempre!!!
    Abração!!!

    ResponderExcluir
  11. Existes milhares definições, tipos e possibilidades para o amor. Muitas vezes confundimos amor com paixão. Tudo geralmente começa com a paixão e acaba nela, não evoluí. Temos ai um relacionamento efêmero. O amor já muda a configuração do sentimento pois mexe com as áreas muito mais próximas da parceria, do compartilhar diário de uma vida que tende a ser uma só num relacionamento.

    Como foi dito, devemos estar completos (de alegria, felicidades diárias, etc, etc etc,) para aceitar a completude do outro e formar uma mistura homogênea.

    O que eu observo atualmente, em especial entre amores do mesmo sexo (masculino em geral), é que a individualidade dos tempos modernos tem radicalmente limitando o amor, que não se evoluí da paixão incial. Não há transição. E tudo se torna muito vago, vazio e artificial.

    Pergunta ao oráculo: Quando você encontra alguém que demonstra gostar de você, incialmente como amigo, faz revelações sensíveis, passa para a categoria "amigo que beija amigo" com vontades maiores, e se perde no medo de não se entregar, para manter seu status de "individuo livre", mantendo sua individualidade, seu jeito atual,
    tem jeito de entrar no seu amor, já declarado?

    ResponderExcluir
  12. Lindo texto... impossível alguém não se identificar. Quanto mais os seres "expandem", mais exigentes ficam e isso é só empecilho pra criar ou manter qualquer relacionamento. Se viver sozinho é "difícil" hoje em dia nesse mundo "tudo pra ontem", imagine conviver. Triste é cada vez mais viver em perspectivas que só se concretizam em filmes ou novelas mesmo. Um bom relacionamento hj em dia dependem de 2 átomos que vagam pelo universo se chocarem.

    Fabio Selbach

    ResponderExcluir
  13. Excelente texto !!!
    Parabéns ao autor.Beijos.

    Lomanto De Azevedo Pereira

    ResponderExcluir
  14. Bom dia meu querido!!! Caramba...não sei o que dizer, sinceramente, nem tem como...Ai Edson não sei, só tenho que ti dar os parábens, e agradecer a Deus por eu ter conhecido vc! Somente isso!
    Pode até ser exagero meu, mas é assim que penso e dane-se! SENSACIONAL!!!
    Obrigada! obrigada pq tô aprendendo muito c/ vc.
    BEIJO IMENSO! e até mais!
    Cé.

    ResponderExcluir
  15. Adorei amigo!! é isso mesmo não pensamos diferente... rsrsrs.... parabéns pelo texto e pela coragem de colocar uma experiência tão pessoal!! abraços!

    ResponderExcluir